quinta-feira, 6 de março de 2014

Fender Pawn Shop Super-Sonic

Nossa guitarra escolhida da semana é praticamente uma raridade. E também quase um experimento da Fender, uma vez que suas características são quase todas diferenciadas das guitarras mais comuns ou clássicas. Estamos falando da Fender Pawn Shop Super-Sonic.


Pra quem não sabe, a série Pawn Shop é feita de reedições – geralmente de guitarras das décadas de 60 e 70 (mas nem sempre) – que por algum motivo do destino “eram pra ser e não foram”. Ou seja, guitarras em que todos apostavam suas fichas, mas que não se popularizaram ao ponto da Fender continuar a fabricá-las.  A Super-Sonic, porém, não vem de tão longe. Ela éuma reedição de um modelo fabricado no meio dos anos 90 pela Squier by Fender e que se chamava Squier Vista Series Super-Sonic. Mas é claro que para um relançamento especial, a Fender teria de caprichar na nova versão.


Uma das características da nova Super-Sonic é seu corpo “diminuto” (quem pegar uma para tocar vai sentir o quanto menor ela é em relação a guitarras como a Jaguar e a Jazzmaster – que aliás a Super-Sonic “imita”, mas como o corpo “reverse”, ou seja, parece que ela foi feita ao contrário. O mesmo vale para o headstock, que é reverse também). Outros diferenciais são os knobs, que são ambos de volume e nenhum de tonalidade. E mais: são invertidos também. O knob mais longe da ponte controla o volume do captador do braço e o mais perto, o da ponte (os knobs da Squier eram assim também). Como vocês podem ver, os knobs são do estilo Jazz Bass, para dar um charme a mais.


Munida de dois Dual Canted Atomic Humbuckers (Zebra) – como o nome diz, envesados (na Squier apenas um deles era) – a Super-Sonic tem um som potente apesar de sua escala curta. Com 22 trastes e escala em rosewood, a guita foi relançada em três cores: laranja, vermelho e azul, todas com bastante sparkle. E finalmente, o braço é o mais-que-confortável-e-tradicional C-shaped da Fender com mais uma “novidade”: o tirante é parcialmente externo, chamado de bullet truss rod. Dizem as más línguas que na década de 70, durante algumas tiragens de guitarras, os tirantes foram feitos fora de medida e terminaram ficando maiores que o braço. A Fender, para não ter que mandar fabricar tudo de novo, deixou que o tirante ficasse exposto, o que virou a marca registrada de uma época. A Super-Sonic foi feita de acordo com essa “tradição”. Aviso: é o que dizem as más línguas. Eu, pelo menos, nunca ouvi ninguém da Fender confirmar ou negar essa história.


Pra quem não viu uma de perto, corra, pois logo devem sair de linha, como sempre as Pawn Shop duram pouco no mercado. Vale a pena!





Nenhum comentário:

Postar um comentário